Slider Image
Slider Image
Slider Image
Slider Image
Slider Image
Slider Image
Slider Image
Slider Image
Slider Image
Slider Image
Slider Image
Slider Image
  • ESTREIA17 de Fevereiro | Sala Estúdio do Teatro da Rainha
  • ApresentaçõesAté 12 de Março | de Quarta a Sábado às 21h30
  • RESERVASSegunda a Sexta das 9h às 18h | Dias de Espectáculo até às 20h | 262 823 302/ 966 186 871 (RESERVA OBRIGATÓRIA)
  • Digressão17, 18 e 19 de Março no O'Culto da Ajuda - Miso Music - Lisboa | 27 de Maio no Teatro das Beiras, Covilhã

Ficha Artística

AUTOR| Henrique Manuel Bento Fialho
ENCENAÇÃO | Fernando Mora Ramos
CENOGRAFIA| José Serrão
FIGURINOS | Sara Miro
ILUMINAÇÃO | Jorge Ribeiro
VÍDEO | Ricardo Soares
BANDA SONORA | Lucas Keating
VOZ GRAVADA | Nuno Machado
INTERPRETAÇÃO | Marta Taveira, António Parra, Fábio Costa e Ricardo Soares

FOTOGRAFIAS | Margarida Araújo e Paulo Nuno Silva

COMENTÁRIOS DO PÚBLICOVER
VER PROGRAMAFICHEIRO EM PDF

Quem é Ofélia? A noiva do Príncipe Hamlet cantada por Jean-Arthur Rimbaud e pintada por Sir John Everett Millais? Ou a jovem dactilógrafa com quem Fernando Pessoa se correspondeu, depois de lhe recitar versos de Shakespeare? Talvez nenhuma das duas, talvez um pouco de ambas. Ofélia é certamente mulher, tem corpo de mulher, sonha, deseja, ama. Cativa no interior de uma ilusão, desta pretende libertar-se tornando-se real. Conseguirá levar a cabo tamanho desígnio? Em cena, a actriz Marta Taveira oferece-lhe corpo. Garantimos não haver Ofélia mais autêntica do que esta personagem representada por quem lhe oferece nervo e músculo. Corpo em torno do qual três criaturas imaginárias, heteronímicas, andam à deriva sondando as paredes da fantasia. Aos actores António Parra, Fábio Costa e Ricardo Soares cabe oferecerem física à química deste «romantismo só ismo, ismo, ismo.»
Resultado de uma encomenda feita pelo Teatro da Rainha, a peça “Na Cama com Ofélia” marca a estreia de Henrique Manuel Bento Fialho na escrita para teatro. Começou a publicar há 25 anos, distribuindo-se por géneros como a poesia, o ensaio, a micronarrativa e o conto. São mais de 15 livros publicados, entre os quais se destacam o recente “Micróbios” (Abysmo, 2021), na microficção, as colectâneas de contos “Call Center” (Companhia das Ilhas, 2019) e “A Festa dos Caçadores” (Abysmo, 2018), integradas no Plano Nacional de Leitura, o volume de ensaios “Embate” (Medula, 2021) e o livro de poesia “Estalagem” (Medula, 2019). Licenciado em Filosofia, o autor colabora regularmente com o Teatro da Rainha desde 2018, nomeadamente na programação e realização de Diga 33 – Poesia no Teatro.
Com encenação de Fernando Mora Ramos, cenografia de José Serrão, figurinos de Sara Miro e iluminação de Jorge Ribeiro, “Na Cama com Ofélia” coloca em cena uma dimensão onírica que tem por base a linguagem da epistolografia trocada entre Fernando Pessoa e Ofélia Queiroz, mas excede as cartas num procedimento de intertextualidade que parodia as fronteiras entre o verdadeiro e o falso, a realidade e o sonho, a substância e o ideal. Num cenário que é um quarto, as cenas desenvolvem-se tal como nos sonhos as fronteiras se estilhaçam e o pensamento lógico desaparece. O que neste texto existe de lírico é sabotado pelo cómico, o que nele há de cómico acaba minado pelo trágico: «Lá fora, a vida continua.» Em cena, no Teatro da Rainha, a partir de 17 de Fevereiro, até 12 de Março.

«Trás, Trás! — cá está a Ofelinha!…» Onde? Onde está? Ofélia sonha. Movimenta-se e fala enquanto dorme. Ofélia, a sonâmbula, acorda e, envelhecida, dedica-se às artes do sobrenatural tentando tornar presente o corpo do Nininho. Terá sido numa noite do início de 1920 que o poeta Fernando Pessoa, aproveitando uma falha de luz no escritório Félix, Valadas & Freitas Ld.ª, se declarou à jovem dactilógrafa de nome Ofélia Queiroz, ajoelhando-se a seus pés e sussurrando palavras de Hamlet. Da relação entre Pessoa e Ofélia chegou-nos um célebre conjunto de cartas, a partir das quais se pensou esta cama transbordada de sonhos. “Na cama com Ofélia” estão as palavras, as projecções e os delírios, está o amor, um ideal de amor, estão as utopias, está o desejo de ver materializada uma paixão para lá das palavras e do sonho. Nesta peça, que resulta de uma encomenda, o lirismo poético vai sendo sabotado pelo humor tal como a ficção mina o real. E vice-versa. Estamos num campo de batalha crepuscular onde os opostos se confundem e a lógica é superada pelo possível. No centro, uma mulher. Um corpo. Desejo.

Henrique Manuel Bento Fialho