Slider Image
Slider Image
Slider Image
Slider Image
Slider Image

Ficha Artística

Tradução | José Carlos Faria (cotejada pelos trabalhos de Paulo Quintela, Arnaldo Saraiva e Luís Bruheim, Maria Hermínia Brandão)
Versão cénica | José Carlos Faria
Encenação | Fernando Mora Ramos
Interpretação | José Carlos Faria

Ver Programa
Ficheiro em PDF

Assim se auto-nomeia este alter-ego de Brecht nas suas próprias histórias, ele é um contador de histórias. Mas mais que pensador, ou pensador de uma dada forma, Keuner é um perguntador que quando faz afirmações coloca outras tantas dúvidas. Ele abre deste modo brechas no cimento dos clichés assertivos do Grande Costume, como Brecht caracterizou uma vez a força inamovível das verdades inquestionáveis do sistema que o capitalismo gerou. É um pensamento do simples, do que nos sucede e do que sendo comum não é normalmente objecto de indagação e é filosófico, criando caminhos e processos de pensar pensando, na medida em que desencadeia alternativas ao que a realidade impõe como pragmatismo de um modo que parte muitas vezes da ingenuidade, da pergunta curiosa, na explicitação daquilo que no óbvio está oculto pela força da sua própria evidência.