Slider Image
Slider Image
Slider Image
Slider Image
Slider Image
Slider Image
Slider Image
Slider Image
Slider Image
Slider Image
Slider Image
Slider Image
Slider Image
Slider Image
Slider Image
Slider Image
  • DATA3, 4, 5 e 6 de Julho de 2019
  • HORÁRIO21:30
  • MORADAParque D. Carlos I - Caldas da Rainha

Ficha Artística

Tradução – Luís Varela
Encenação e adaptação – Fernando Mora Ramos
Cenografia – José Serrão
Desenho de Som – Francisco Leal
Desenho de Luz – Filipe Lopes com Fernando Mora Ramos
Máscaras – Filipe Feijão – Origami produções, cenografia e audiovisuais, Ldª

Interpretação – Alexandre Calçada, Fábio Costa, Isabel Leitão, José Carlos Faria, Carlos Borges, Mafalda Taveira, Cibele Maças, Venâncio Calisto, António Plácido, José Ferreira, Manuel Freire, Adélia Duarte, Vítor Duarte, Nuno Machado e o coro: Cacilda Caetano, Fernando Rodrigues, Filipe Ferreira, Luís Coto, Manuel Gil e Teresa Paula .

Imagem e  Design gráfico – José Serrão (imagem a partir de desenho de Fernando Mora Ramos)
Fotografia – Margarida Araújo

A CIDADE DOS PÁSSAROS de Bernard Chartreux
(adaptação de “As aves” de Aristófanes)

As aves, de Aristófanes, falam de uma Atenas paralisada pelo juridiquismo tribunalício, pela burocracia, longe da Atenas democrática. E pela corrupção e amiguismos. Na peça se concebe uma fábula : dois atenienses, Evélpidos e Pisteteros, partem para o território livre das aves, nas nuvens, em busca de espaço para fundar uma cidade nova, tendo um gaio como bússola e a informação de que, Tereu, rei humano convertido em pássaro por Zeus, como castigo, tem informações sobre onde tal terra existe.

O texto de Aristófanes está, no entanto, demasiado preso ao seu tempo, as suas referências a pessoas e instituições, a localizações no tempo, tornam o texto hermético hoje e convertem-no em “material” a reinventar, segundo critérios de aproximação lúcida, e produtiva semanticamente, aos nossos tempos.

Foi o que Chartreux fez com a sua Cidade dos pássaros, não perdendo entretanto a oportunidade de alargar o contexto grego, introduzindo outras peças na adaptação, nomeadamente Édipo Tirano e Édipo em Colono, curiosamente tragédias. Com os três textos constrói uma misturada, uma trilogia vazada em síntese cómica. Esse alargamento temático estabelece ligações entre a Grécia histórica e a do mito, e transporta esses elementos para a actualidade. Que actualidade? A da democracia liberal burguesa dos dias de hoje, a do fechamento da Europa universalista sobre si mesma como “nação”, centrada mais num modo de vida das suas classes médias  e sua economia — a dos bancos e das crises sucessivas — que no seu universalismo cultural e nas liberdades. Isso explica que a certa altura se adjectivem as “qualidades” desta democracia do seguinte modo: corrupção, tráfico de influências, manipulação dos espíritos, censura por vias directas e indirectas, xenofobia, enriquecimento ilícito e pobreza extrema, demagocracia, em suma. Um retrato do que antes na Europa se dizia ser um tal Terceiro Mundo, tiranocracias.

Chartreux trabalha a utopia aristofânica que a peça propõe como uma distopia, num primeiro tempo a ficção constrói-se em registo para-militar, uma fortificação — um muro à Trump — generalizada e num segundo tempo declara-se guerra aos imediamente próximos, humanos e divinos, Mundo e Olimpo. O projecto de Pisteteros – Pisteteropolis – é, finalemente, a ditadura, uma ditadura que passa pela escravização do povo livre dos pássaros, um regime colonial-tirano, que passa pela provocação aos viznhos, pela imposição de impostos e tributos aos fumos sacrificiais.

A adaptação de um clássico — clássico popular — cumpre aqui o seu papel. É pela via da recriação escrita, da nova estruturação narrativa e da inclusão de elementos históricos que se invoquem de lá – século V antes de Cristo – para cá – século XXI, que a nova fantasia, com pregnância nas visões de hoje, cumpre um papel.

Texto completo